Wallmapu – Comunicado de Rodrigo e Jaime Huenchullan, presos pela “Operacion Huracán”

MPP

Os prisioneiros Políticos Mapuche detidos na prisão de Angol, RODRIGO HUENCHULLAN CAYUL e JAIME HUENCHULLAN CAYUL, detidos no contexto da “operación huracán”, declaramos à opinião pública nacional e internacional o seguinte:

1. Rechaçamos de maneira categórica a montagem judicial-midiática que foi preparada pelo Ministério Público, aprovada pelo governo da sra. Bachelet, para tentar fazer a opinião pública acreditar que existe uma coordenação entre líderes para a queima de caminhões. A grosseira montagem que tenta nos vincular com os atentados incendiários, tem apenas o propósito de deslegitimar as reivindicações territoriais e políticas que vem sendo trabalhada pela Comunidade Autônoma Temucuicui durante as últimas décadas e nos enquadrar em um mero assunto judicial. Também manifestamos que essa estratégia obedece aos interesses econômicos e políticos presentes no território mapuche e aos quais o governo mais uma vez sua submissão.

Consideramos que nossa detenção deve-se ao fato de que, em muitas oportunidades, assumimos o papel de líderes, que desempenhamos um papel público e, portanto, somos facilmente identificáveis dentro da comunidade e no movimento mapuche em geral. Pelo mesmo motivo e tendo em conta tanto as realizações  territoriais de Temucuicui como a
reconstrução de nosso território ancestral, bem como as numerosas denúncias tanto nacionais como internacionais que fizemos para informar os abusos cometidos pelas forças repressivas policiais chilenas com nossos idosos, mulheres e crianças; os procedimentos viciosos levados pelo Ministério Público contra nossos peñi* e lamngen*, entre outros, é que qualificamos a “operación huracán” como uma vingança política do
governo da presidenta Bachelet contra os líderes mapuches.

2. A respeito da Coordinadora Arauco Malleco**, negamos a tese da promotoria que nos faz aparecer como subordinados desta organização. Apesar de termos apontado em outras ocasiões que respeitamos a postura política da CAM, não a compartilhamos nem necessitamos que outras organizações para nos dar diretrizes para ampliar nossas reivindicações. A Comunidade Autônoma de Temucuicui têm uma linha de pensamento e ação política própria, que foi mostrada todas as vezes que foi convidada a expor nossos líderes, tanto em outras comunidades, como em universidades e atos públicos.

3. Essa “estratégia” constitui para nós o crime contra a humanidade de perseguição política, em que se configurou num ataque sistemático do governo contra líderes mapuche por razões raciais e políticas, através da prisão, tentando nos relacionar com atentados terroristas.

Assumimos o encarceramento, com dignidade e paciência, sabendo que as mentiras da promotoria não vão prosperar.

Finalmente, temos que agradecer as pessoas que expressaram seu apoio e que sabem que esta montagem finalmente terminará em absolvição.

A Resistência para continuar existindo como mapuche não é terrorismo.

RODRIGO HUENCHULLAN CAYUL 

JAIME HUENCHULLAN CAYUL

(via Publicacion Refractario)

*Irmão/Irmãs em mapudungún
**Organização de resistência clandestina que reinvindica a autonomia do povo Mapuche no $hile, que se responsabilizou pelos ataques incendiários contra caminhões madeireiros em Wallmapu, na qual a promotoria acusa a Comunidade Autônoma Temucuicui.

This entry was posted in Chile, Coordinadora Arauco Malleco (CAM), Jaime Huenchullán Cayul, Mapuche Struggle, MPPs (Mapuche Political Prisoners), Operation Hurricane, Repression, Rodrigo Huenchullán, Temucuicui Autonomous Community, Wallmapu. Bookmark the permalink.