Madri, Espanha: Ataques Simultâneos em Solidariedade e Contra as Represálias depois do G20 em Hamburgo

ATMsmashed

Estive em Hamburgo e me lembrei de você.

Quando queimaram seus bancos.

Quando explodiram suas janelas.

Quando se formaram as barricadas.

Quando tomamos a cidade.

Mas ainda me lembro de você quando voltamos para nossas cidades inertes e cinzas onde reina, porque você está em todas partes. Recordamos de tudo o que poderíamos te fazer em qualquer momento e em qualquer lugar, enquanto Hamburgo queimava.

Do mesmo jeito, recordamos de todo o sofrimento e raiva que você gera. Também quando atinge aquelxs enfrentam você. Não esqueçamos nunca de todas as pessoas que foram espancadas por seus guardas, que vivem presas numa prisão ou que morrem por escolher o caminho do confronto. E é em seu nome que foi tomada essa ação.

É por isso que nas noites de 4 e 5 de outubro, foram atacados com martelos os caixas eletrônicos de dezenas de bancos em diferentes lugares de Madri: Lavapiés, Bilbao-Alonso Martínez, Tetuán-Castellana, Carabanchel, Vallekas, Coslada, Barrio del Pilar e La Elipa. Se deixou neles adesivos dizendo “Em Madrid como em Hamburgo. Que se expanda a revolta”, “Solidariedade ativa com as 388 detidas e 32 presas depois da cúpula do G20 em Hamburgo”, “Morte ao Capitalismo e morte à polícia. Depois do G20 a luta continua”.

Porque centenas de pessoas foram espancadas e detidas nos dias da cúpula, porque 32 ainda seguem na prisão, porque, em menos de um mês que sofreram outra investida policial em Hamburgo. Porque queremos acabar com o Capitalismo, com suas empresas e bancos, suas cúpulas financeiras, carros oficiais, banquetes, escoltas. Com tudo o que nos escraviza e destrói. Em Hamburgo, em Madri e em todas partes.

Viva a Anarquia.

(via Contra Madriz)

This entry was posted in Anarchist Prisoners, Direct Action, G20 Summit Hamburg 2017, Germany, International Solidarity, Madrid, Sabotage, Spain. Bookmark the permalink.