Porto Alegre, Bra$il: ‘When Anarchy Disturbs’ – Kaos Library Statement about the Prosecution Against Anarchists (Eng/Port)

blackwolves

There are many things to say, but we will start with the most urgent. In the 25 of October began an anti-anarchist persecution against FAG [Gaucho Anarchist Federation] Parhesia institute, Pandorga squat and some individuals who had their spaces and houses raided by cops. If not all, probably a good part of the anarchist diversity was reached and several of them spoke firmly from their agreement against repression. And this is a fresh air that strengthens every one who feels sedition.

It is evident that the aim of the agents of repression also points against us, against the publications we have made or in which we participate. And that is what we are going to say. “The chronology of the Anarchic Confrontation”, the one that collects information from 2000 to 2015, and the one that collects the anarchic trigger of 2016, both are the books that are being exhibited as “evidence” of vandalism, attacks, and criminal acts. Among the many ways anarchism has to search for freedom, these books speak of anarchic informality as an option according to the current domination’s face. Further, we clarify that these books speak of actions but not only anarchists ones. The focus of the books is the diffusion of anarchic actions. To be more precise, it spread actions in which we feel the aroma of anarchy. And between anarchism and anarchy there are differences that may be delicate but which are important.

The anarchic instinct is that anti-dominating impulse that can be present in any individuality or collectivity, beyond the ideological belongings and political militancy. That is why in the chronologies we include conflicts of non-Western populations, street conflict within larger protests and diverse motivations, actions against the State and Capital, and more. Far from going by the theory, we clarify this since the persecution against the anarchists does not consider these differences in order to find a scapegoat for multiple events that bothered the cops and the powerful of always. It is surprising that the police, deputy Jardim, and the media, show as the great news some facts that were already headlines at the time and have already been searched by cops, just because all these facts are condensed in our publications. None of the books is a claim. They are books of an anarchic memory, with actions and conflicts long before the existence of the Kaos Library, which will surely continue beyond us. The publication shows with joy and yes, with head held high, the existence of an anarchic confrontation that respond to the domination, the devastation of the earth and the attack against all forms of freedom, but it does not claim responsibility of these facts that can be collected, as we have done from various internet pages and local newspapers. And if we have made these publications aware of the risk they presented, it is because insubmission deserves to be defended, howled, celebrated and shouted by all possible means. We will never believe or respect the obedience they intend to impose, the submission and the fear they want to inoculate in people from the moment they are born.

Therefore, the actions printed in the chronologies are attacks against the materiality of domination. That is against buildings, cars, machines, roads, windows. Stuff. Objects. Symbols. Cops in the territory controlled by the Brazilian state are internationally famous for being a murderous police force. The so-called “pacification operations” are massacres, authentic massacres, such as Candelária and Carandiru, as well as the murder of Eltom Brum from behind his back that even had a police crowd receiving the murderer. And are they the ones who talk about terror, about evil gangs, about attempted murder? They show a sling and ecological bricks as weapons while they’re holding guns. They speak of terrorism and evil gangs while preparing the next invasion against a village or favela, where the dead will not even be mentioned by the media. That insignificant they are to them. We would like to believe that everyone feels insulted by the evidence of the Garden Delegate. In a context where weapons are commonplace, ecological bricks presented as explosives are an insult to anyone. However, we do not forget when Pinho Sol [famous deodorizer label] was considered a weapon and used “evidence” against Rafael Braga* whom they held behind bars until he got tuberculosis, that is, until they felt they had done everything to kill him.

The repression against anarchists show two things. First, to present “terrorists” on screen serves as a TV show to turn the spotlight away from issues such as corruption, political-police discredit and slow genocide throughout economic reforms. That they now try to solve the facts of 2013* and chase a book and literature, clearly shows a spectacular attempt to hide the growing attack on the population, to depoliticize through threats and spread fear even to read (evidently democratic practices). The second thing that presents an anti-anarchist persecution is that anarchy disturbs. When we speak of anarchy that disturbs, we are clearly not talking about well behaved boys and girls acting within the limits imposed by power, we do not speak of people who have laws in their bodies and hearts drawing their limits of action. When we speak of anarchy that disturbs, we speak of such a strong insubordination of people and groups that have been able to interrupt the normality of the power square, to paralyze the city, to break the symbols of militarization in Haiti**, to burn the vehicles that seize, and they kill dragging like horses of the inquisition (Claudia we do not forget your death).

The Kaos Library books spread this anarchy. The one that disturbs. The one that answers the clash of agribusiness, colonization civilization, militarization, ecocide, prison society… In simpler words, while domination tries to destroy the planet and all that they find undesirable, we spread what attacks the domination.

And when anarchy bothers, the reaction of the powerful threatens and wants to sniff the fear. The anarchic response to this persecution will remain in our hearts and actions. How we face this crossroads will mark the moment of our passage through the path of rebellious life.

Strength and solidarity with those prosecuted by “Operation Érebo”

Kaos Anarchic Library

October 2017

Translation notes:

* Rafael Braga was arrested during 2013 protests. At the time, he was homeless and was simply removed from his place while cops repressed the demo.

** 2013 is remembered as a year of street uprising against transportation fairs in great part of the territory under domain of the bra$ilian state. As in other territories in the world, there were a lot of insurgent protests mostly self organized.

*** Bra$ilian army is responsible for the militarization of Haiti.

(via ANA, translated by Tormentas de Fogo)

******

Porto Alegre, Bra$il: “Quando a anarquia incomoda.” Comunicado da Biblioteca Kaos diante da perseguição contra anarquistas

Há muitas coisas para falar, mas iremos pelo mais urgente. O 25 de outubro começou uma perseguição anti-anarquista contra a FAG [Federação Anarquista Gaúcha], o Parhesia, a ocupação Pandorga e algumas individualidades que tiveram espaços e moradias invadidas pela polícia. Se não toda, provavelmente uma boa parte da diversidade anarquista foi atingida e várixs deles se pronunciaram desde suas concordâncias, com firmeza, diante da repressão. E isso é vento fresco que fortalece a todo aquele que se sinta em sedição.

Fica evidente que a mira dos agentes da repressão também aponta contra nós, contra as publicações que fizemos ou nas quais participamos. E é sobre isso que vamos a nos pronunciar. A cronologia da Confrontação Anárquica, tanto aquela que recolhe informação desde o 2000 até o 2015, quanto aquela que recolhe o acionar anárquico do 2016, são os livros que estão exibindo como “provas” de vandalismo, ataques, e atos criminosos. Dentre as múltiplas formas de procurar a liberdade que tem o anarquismo, esses livros falam da informalidade anárquica como um opção de acordo com o rosto da dominação atual. Ainda mais, esclarecemos que estes livros falam de ações que não são anarquistas só. O foco dos livros é a difusão de ações anárquicas. Para ser mais precisos, se difundem ações nas quais nós sentimos o aroma da anarquia. E entre o anarquismo e a anarquia há diferenças que podem ser delicadas mas que são importantes.

O instinto anárquico é aquele impulso anti-dominação que pode estar presente em qualquer individualidade ou coletividade, para além dos pertencimentos ideológicos e militâncias políticas. É por isso que nas cronologias incluímos conflitos das populações não ocidentais, a conflitividade nas ruas dentro de protestos mais abrangentes e motivações diversas, ações contra o Estado e o Capital e muito mais. Longe de ir pela teoria, esclarecemos isto já que a perseguição contra os anarquistas não toma em conta estas diferenças procurando achar um bode expiatório para múltiplos eventos que incomodaram aos policias e aos poderosos de sempre.

Surpreende que a polícia, o Delegado Jardim, e a mídia mostram como a grande novidade, fatos que já foram manchete no seu momento e já foram pesquisados pela polícia também, só pelo fato de estarem condensadas em nossas publicações. Nenhum dos livros é uma reivindicação. São livros de uma memória anárquica, com ações e conflitos muito anteriores à existência da Biblioteca Kaos e que com certeza irão continuar para além de nós. A publicação mostra, com alegria e de cabeça erguida sim, a existência de um confronto anárquico que dá resposta à dominação, à devastação da terra e ao ataque contra toda forma de liberdade, mas não reivindica a autoria desses fatos que podem ser colhidos, tal como nós fizemos de várias páginas de internet e jornais locais. E se fizemos essas publicações sabendo do risco que elas apresentavam é porque a insubmissão merece ser defendida, uivada, festejada e gritada por todos os meios possíveis. Jamais acreditaremos nem respeitaremos a obediência que pretendem impor, a submissão e o medo que querem inocular nas pessoas desde que nascem.

Para além disso tudo. As ações que estão nas cronologias são ações de ataque contra a materialidade da dominação. Ou seja contra prédios, carros, máquinas, estradas, vidraças. Coisas. Objetos. Símbolos. A polícia do território controlado pelo estado brasileiro é internacionalmente famosa por ser uma polícia assassina. As operações de pacificação, são chacinas, autênticos massacres, como a da Candelária e a do Carandiru, assim como o assassinato pelas costas de Eltom Brum que até teve uma torcida policial recebendo o assassino. E são eles quem vem a falar de terror, de quadrilhas do mal, de tentativa de homicídio? Mostram um estilingue e tijolos ecológicos como armas, enquanto eles estão de pistola na mão. Falam de terrorismo e quadrilhas do mal enquanto preparam a seguinte invasão contra uma vila ou favela, onde os mortos nem serão mencionados pela mídia. Assim, insignificantes são para eles. Gostaríamos de acreditar que todos se sentem insultados com as provas do Delegado Jardim. Num contexto onde as armas são corriqueiras, tijolos ecológicos apresentados como explosivos é um insulto para qualquer um. Porém, não esquecemos do uso policial do pinho sol como arma (prova) contra Rafael Braga a quem sequestraram até ele pegar tuberculose, ou seja, até sentir que fizeram de tudo para matá-lo.

As repressões contra os anarquistas mostram duas coisas. A primeira que apresentar “terroristas” na tela serve como show para tirar os holofotes dos problemas como a corrupção, o descrédito político-policial e o genocídio devagar mediante reformas econômicas. Que agora tentem resolver fatos do 2013 e persigam um livro e literatura, mostra claramente um uso midiático e espetacular que pretende esconder o crescente ataque contra a população, despolitizar mediante ameaças e espalhar o medo até de ler (práticas evidentemente democráticas).

A segunda coisa que apresenta uma perseguição anti-anarquista é que a anarquia incomoda. Quando falamos da anarquia que incomoda, claramente, não estamos falando de meninos e meninas bem comportados agindo dentro das margens impostas pelo poder, não falamos de pessoas que tem as leis no seus corpos e corações lhes desenhando seus limites de ação. Quando falamos da anarquia que incomoda falamos de uma insubmissão tão forte de pessoas e grupos que tem sido capazes de interromper a normalidade da praça dos poderes, de paralisar a cidade, de quebrar os símbolos da militarização no Haiti, de queimar os veículos que sequestram, e matam arrastando como cavalos da inquisição (Claudia não esquecemos da sua morte).

Os livros da Biblioteca Kaos difundem essa anarquia. A que incomoda. Aquela que responde o embate do agronegócio, da civilização colonizante, da militarização, do ecocídio, da sociedade carcerária… Em palavras mais simples, enquanto a dominação tenta destruir o planeta e todos que eles acham indesejáveis, nós difundimos o que ataca a dominação.

E quando a anarquia incomoda, a reação dos poderosos ameaça e quer farejar o medo. A resposta anarquista e anárquica contra essa perseguição ficará nos nossos corações e ações. O como enfrentamos esta encruzilhada marcará o momento de nosso passo pela trilha da vida em rebeldia.

Força e solidariedade com Xs perseguidxs pela operação Érebo.

Biblioteca Anárquica Kaos

Outubro de 2017

(via Tormentas de Fogo)

This entry was posted in Biblioteca Kaos, Brazil, FAG (Gaucho Anarchist Federation), Operation Erebo, Porto Alegre, Rafael Braga, Repression. Bookmark the permalink.