Mato Grosso, Brasil: Pueblo Mundukuru es Recibido Con Bombas en Defensa de Su Territorio

1432

Recibido el 17.10.17:

Mato Grosso – este viernes, 13, cerca de 80 indígenas Munduruku desembarcaron en el cantero de obras de la hidroeléctrica de São Manoel tras siete dias de viaje por el río Teles Pires, para exigir el cumplimiento de acuerdos cerrados – y no cumplidos – con las empresas responsables de la construcción de las usinas  São Manoel y Teles Pires, en Mato Grosso, firmados en julio pasado. Los constructores de las usinas  fueron responsables de la destrucción de los dos principales lugares sagrados de la nación Munduruku (Dekuka´a, el Morro de los Monos, y Karobixexe, las Siete Caídas del Teles Pires y la morada de la Madre de los Peces), además de la profanación de más de diez urnas funerarias.

Los indígenas fueron recibidos por un contingente de la Fuerza Nacional de Seguridad (FNS), que llegó a disparar bombas de efecto moral contra el grupo, compuesto por hombres, mujeres y niños. La acción fue autorizada por el Ministerio de Justicia y Seguridad Pública (MJSP) en atención a la solicitud del Ministerio de Minas y Energía (MME). Un interdicto de prohibición – orden judicial que de anticipadamente
criminalizó tres líderes indígenas y se impuso una multa diaria de 5 mil reales en caso de ocurrir alguna acción en el cantero de obras de São Manuel (de responsabilidad de EDP Brasil, Furnas Centrais Elétricas y China Three Gorges Corporation), habia sido expedida pelo juiz Marcel Queiróz Linhares, de la Segunda Vara Federal de Sinop, el último día 11.

La principal reivindicación de los Munduruku es una petición formal de exculsas de las constructoras de las dos hidroeléctricas por los daños causados a los lugares sagrados a las urnas funerárias. La demanda había sido presentada a las usinas y al gobierno federal en julio, cuando ocurrió una primera acción en la usina São Manoel. En la ocasión, se acordó una audiencia pública para los días 28 y 29 de septiembre en la aldea Misión Cururu, e el río Cururu, en Jacareacanga, con presencia prevista del Ministerio Público Federal (MPF), presidencia de la Fundación Nacional del Indio (Funai) y representantes de las empresas. Sólo el compareció. Las empresas enviaron notificación diciendo que no se responsabilizaba por los daños, lo que motivó la nueva movilización
indígena.  “Estamos volviendo porque es una determinación de los espíritus. Tenemos que agradarles com nuestros rituales, pero mientras la empresa no asumir su responsabilidad y no pedir disculpas, nosotros no vamos a sosegar. Entonces vamos con la protección de nuestros ancestrales”, explica uno de los pajés del grupo.

Además de la FNS, los Munduruku fueron recibidos por un oficial de Justicia que, con intermediación de un delegado de la Policía Federal, presentó la orden judicial que les impidió de entrar en el cantero de obras. representando al gobierno, la directora del Departamento de Participación y Diálogos Sociales de la Presidencia, Maria Thereza
Ferreira Teixeira, afirmó que intermedia el diálogo con la empresa y con el gobierno, junto con un servidor de la FUNAI de Colider.

Os Munduruku explican que vinieron a visitar sus espíritus ancestrales, realizar su ritual y cobrar de las empresas elo cumplimiento de los acuerdos firmados en la última ocupación de UHE de São Manoel. El grupo también se dispuso a negociar con los directores de las empresas y presidentes de FUNAI, IBAMA, IPHAN. Los mediadores confirmaron la presencia del director del Directorio de Promoción de Desarrollo Sostenible de FUNAI para una reunión al día seguiente, en Alta Floresta, pero los Munduruku sostuvieron que quieren hablar con las autoridades que tienen poder de decisión, las instancias máximas de cada entidad, para que asuman las responsabilidades por lo que hicieron con sus locales y entes sagrados.

En la noche de viernes, se acordó que los Munduruku serían  llevados para a una segunda visita a las urnas funerarias en el Museo de Alta Floresta, tras la realización del ritual nocturno en Dekoka’a, donde pasaron la noche durmiendo sobre la grava alrededor de hogueras, dirección de la antigua morada de la madre de las cazas.

Declaración del grupo Munduruku:

El pueblo Munduruku volvió!

Las mujeres y los hombres del pueblo Munduruku volvemos con nuestros pajés cerca de nuestra Dekuka’a y Karubixexe. Hemos venido a hacer nuestro ritual. Estuvemos en julio aquí para conversar con los pariwat que destruyeron nuestro lugar sagrado. El lugar adonde nuestros antepasados viven.

Primero queremos los dapixiat (mentirosos) lejos de nosotros. No aparezcan aquí, las mentiras que ustedes contaron en julio oscurecieron nuestros ojos pero nuestros pajés están con nosotros y ahora no van dejar que el cauxi de la boca de ustedes enfermar nuestro pueblo. Queremos hablar con gente seria.

Ustedes pariwat no entienden lo que escribimos, oyen nosotros, pero no saben escuchar. Nosotros realizamos la audiencia sobre nuestros locales sagrados ni la FUNAI y ni los representantes de las empresas asistieron, son dapxiat!

Estamos aquí para defender nuestro derecho, luchar contra las amenazas a nuestro territorio, denunciar las hidroeléctricas en el río, somos como el Poy que derrotó la anta, el pueblo Munduruku es como el jabuti, vamos a derrotar a nuestros enemigos mayores que nosotros.

El ataque de las hidroeléctricas contra nuestros lugares sagrados no va a quedar así. No vamos a sosegar hasta que el IBAMA cancele la licencia da hidroeléctrica, hasta que las dos empresas pidan disculpas a nuestros antepasados y a nuestro pueblo y cumplan lo acordado para la segunda visita a nuestras urnas.

Cuando llegamos, fuimos recibidos con bomba, una barrera de la fuerza nacional y un papel del juez que nos impedía de entrar en nuestro propio territorio, que fue robado por la usina. Estamos esperando justicia hasta hoy por la destrucción de Dekoka’a y la justicia funciona para proteger la usina hidroeléctrica y trata a nosotros como criminales. En ese papel también estaba el nombre de líderes, diciendo que tendríamos
que pagar una multa de 5 mil reales por día si no quedarmos aquí.

Queremos dejar claro que no somos criminales. Que estamos en nuestros lugar sagrado y que temos el derecho de quedarmos aquí hasta que nosotros seamos atendidos. Entregaron un papel escrito a la pluma diciendo que van a traer al director de la DPDS de FUNAI. No fue eso que pedimos y una vez más quieren engañar a nosotros con un pedazo de papel que no vale nada. Para responder a MPF y para hablar con los pariwat,
los abogados trabajan y escriben oficios. Pero el pueblo Munduruku es tratado con esa falta de respeto.

No vamos a aceptar otra de sus maniobras.

Queremos al presidente del IBAMA, presidente de FUNAI, presidente del IPHAN y director de CHTP para dialogar con nosotros.

Si Miguel Setas y Antonio Mexa están en otro país, que envíen a los representantes mayores de EDP en Brasil o envíen nuestros liderazgos allá, hablar con ellos en el país de donde viene esa empresa que nos está matando.

El Idixidi es el río del pueblo Wuyjuyu, dejamos los wuyḡuybuḡun quedarse en el río, sólo los riberiños y los pescadores saben respetar el río.

No elegimos esa guerra, pero vamos a vencer!

Sawe!

Movimiento Munduruku Ipereg Ayu

Posted in Autonomy, Brazil, Eco-Resistance, Eco-Struggle, Indigenous Struggle, Mato Grosso, Mundukuru People, Repression

Mato Grosso, Brasil: Povo Mundukuru é Recebido Com Bombas em Defesa de Seu Território

4132

Recebido em 17.10.17:

Mato Grosso – Nesta sexta-feira, 13, cerca de 80 indígenas Munduruku desembarcaram no canteiro de obras da hidrelétrica de  São Manoel/MT depois de sete dias de viagem pelo rio Teles Pires, para exigir o cumprimento de acordos fechados – e não cumpridos – com as empresas responsáveis pela construção das usinas  São Manoel e Teles Pires, no Mato Grosso, firmados em julho passado. Os construtores das usinas  foram responsáveis pela destruição dos dois principais locais sagrados da nação Munduruku (Dekuka´a, o Morro dos Macacos, e Karobixexe, as Sete Quedas do Teles Pires e morada da Mãe dos Peixes), além da profanação de mais de dez urnas funerárias.

Os indígenas foram recebidos por um contingente da Força Nacional de Segurança, que chegou a disparar bombas de efeito moral contra o grupo Munduruku, composto por homens, mulheres e crianças. A ação foi autorizada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em atendimento a solicitação do Ministério de Minas e Energia (MME). Um interdito proibitório – ordem judicial que antecipadamente criminalizou três lideranças indígenas e impôs multa diária de R$ 5 mil caso ocorresse alguma ação no canteiro de obras de São Manuel (de responsabilidade da EDP Brasil, Furnas Centrais Elétricas e China Three Gorges Corporation) – havia sido expedida pelo juiz Marcel Queiróz Linhares, da Segunda Vara Federal de Sinop, no último dia 11.

A principal reivindicação dos Munduruku é um pedido formal de desculpas das construtoras das duas hidrelétricas pelos danos causados aos locais sagrados a às urnas funerárias. A demanda havia sido apresentada às usinas e ao governo federal em julho, quando ocorreu uma primeira ação na usina São Manoel. Na ocasião, foi acordada uma audiência pública para os dias 28 e 29 de setembro na aldeia Missão Cururu, no rio Cururu, em Jacareacanga, com presença prevista do Ministério Público Federal (MPF),
presidência da Funai e representantes das empresas. Apenas o MPF compareceu. As empresas enviaram notificação dizendo que não se responsabilizariam pelos danos, o que motivou a nova mobilização indígena.  “Estamos voltando porque é uma determinação dos espíritos. Nós temos que agradá-los com nossos rituais, mas enquanto a empresa não assumir sua responsabilidade e não pedir desculpas, nem nós e nem eles
não vamos sossegar. Então nós vamos para lá com a proteção dos nossos ancestrais”, explica um dos pajés do grupo.

Além da Força nacional de Segurança, os Munduruku foram recebidos por um oficial de Justiça que, com intermediação de um delegado da Polícia Federal, apresentou a ordem judicial que os impediu de entrar no canteiro de obras. Representando o governo, a diretora do Departamento de Participação e Diálogos Sociais da Presidência, Maria Thereza Ferreira Teixeira, afirmou que intermediaria o diálogo com a empresa e com o Governo, junto com um servidor da FUNAI de Colider.

Os Munduruku explicam que vieram visitar seus espíritos ancestrais, realizar seu ritual e cobrar das empresas o cumprimento dos acordos firmados na última ocupação de UHE de São Manoel. O grupo também se dispões a negociar com os diretores das empresas e presidentes da FUNAI, IBAMA, IPHAN . Os mediadores confirmaram a presença do diretor da Diretoria de Promoção de Desenvolvimento Sustentável da FUNAI para uma
reunião no dia seguinte, em Alta Floresta, mas os Munduruku sustentaram que querem falar com as autoridades que têm poder de decisão, as instâncias máximas de cada entidade, para que assumam as responsabilidades pelo que fizeram com seus locais e entes sagrados.

Ainda na noite de sexta, ficou acordado que os Munduruku seriam levados para uma segunda visita às urnas funerárias no Museu de Alta Floresta, após realização do ritual noturno em Dekoka’a, onde passaram a noite dormindo sobre o cascalho ao redor de fogueiras, na direção da antiga morada da mãe das caças.

Declaração do grupo Munduruku:

O povo Munduruku voltou!

Nós mulheres e homens do povo Munduruku voltamos com nossos pajés para perto de nossa Dekuka’a e Karubixexe. Viemos fazer nosso ritual. Estivemos em julho aqui para conversar com os pariwat que destruíram nosso lugar sagrado. O lugar aonde nossos antepassados vivem.

Primeiro queremos os dapixiat (mentirosos) longe de nós. Não apareçam aqui, as mentiras que vocês contaram em julho escureceram nossos olhos mas nossos pajés estão conosco e agora não vão deixar que o cauxi da boca de vocês adoeça nosso povo. Queremos falar com gente séria.

Vocês pariwat não entendem o que escrevemos, ouvem agente, mas não sabem escutar. Nós realizamos a audiência sobre os nossos locais sagrados nem a FUNAI e nem os representantes das empresas compareceram, são dapxiat!

Estamos aqui pra defender nosso direito, lutar contra as ameaças ao nosso território denunciar as hidrelétricas no rio, somos como o Poy que derrotou a anta, o povo Munduruku é como o jabuti vamos derrotar os nossos inimigos maiores que nós.

O ataque das hidrelétricas contra nossos locais sagrados não vai ficar assim. Não vamos sossegar até que o IBAMA cancele a licença da hidrelétrica, até que as duas empresas peçam desculpas aos nossos antepassados e ao nosso povo e cumpram o combinado para a segunda visita às nossas urnas.

Quando chegamos, fomos recebidos com bomba, uma barreira da força nacional e um papel do juiz que nos impedia de entrar no nosso próprio território, que foi roubado pela usina. Estamos esperando justiça até hoje pela destruição de Dekoka’a e a justiça funciona para proteger a usina hidrelétrica e trata nós como criminosos. Nesse papel também estava o nome de lideranças, dizendo que teríamos que pagar uma multa de R$ 5 mil por dia se ficarmos aqui.

Queremos deixar claro que não somos criminosos. Que estamos no nosso local sagrado e que temos o direito de ficar aqui até que a gente seja atendido. Entregaram um papel escrito à caneta dizendo que vão trazer o diretor da DPDS da FUNAI. Não foi isso que pedimos e mais uma vez querem enganar a gente com um pedaço de papel que não vale nada. Para responder para MPF e para falar com os pariwat, os advogados trabalham e escrevem ofícios. Mas o povo Munduruku é tratado com esse desrespeito.

Não vamos aceitar mais uma das suas manobras.

Queremos o presidente do IBAMA, presidente da FUNAI, presidente do IPHAN e diretor da CHTP para dialogar com a gente.

Se Miguel Setas e Antonio Mexa estão em outro país, que enviem os representantes maiores da EDP no Brasil ou enviem nossas lideranças para lá, falar com eles no país de onde vem essa empresa que está nos matando.

O Idixidi é o rio do povo Wuyjuyu, nós deixamos os wuyḡuybuḡun ficar no rio, só os ribeirinhos e os pescadores sabem respeitar o rio.

Não escolhemos essa guerra, mas vamos vencer!

Sawe!

Movimento Munduruku Ipereg Ayu

Posted in Autonomy, Brazil, Eco-Resistance, Eco-Struggle, Indigenous Struggle, Mato Grosso, Mundukuru People

Milan, Italy: Court Solidarity Sit-In Planned for International Week of Antispeciesist Action (Eng/Ita)

ASA

In the event and in support of the International Week for Antispeciesist Action, we communicate the performance of a sit in, planned for the 30th of October, from 9 a.m., at the courthouse of Milan in solidarity with the comrades who, on that day, are going to be subjected to the second hearing regarding the occupation of the animal facility of the Department of Pharmacology of the State University of Milan, that occurred on the 20th of April of 2013, and that led to the liberation of 400 mice and a rabbit, in addition to the disclosure of the documentation, intended to bring down the wall of silence which still allows to excuse the exploitation of animals.

The cages are not just that four heavy walls that contain the animals, forced to suffocate between the narrow gears of the conveyor belt, prisons without light, labs closed between walls that have been stripped for years by lacerated nails, mutilated paws, but they are every room that has bars, even mental ones. Freedom is a moral duty that urges the individual to extend it to the multitudes, without limits or barriers, regarding the species, the skin, the color or the scent. As long as there is still one of us who is imprisoned don’t talk to us about rights. Our rights have the shape of the blade which denies them to others. Labs are full of beings who are massacred and stoned to death for our rights, to extend, up to a day, our chained lives, the lives of the “Us” who are shortsighted, and have the convictions of brotherhood and respect, a controlled and dosed kind of respect. Furthermore, scientific research through the suffering of non human animals carried out within the walls of universities, has many valences: considering individuals as tools, objects, goods which can be used as it wishes, makes university a place where speciesism is taught and instilled in students’ minds; very often research performed at the universities is carried out in collaboration with big pharmaceutical groups and grants from companies and private foundations like Telethon: where university should be the base of free and democratic knowledge, there this knowledge, along with students’ minds, is sold off and commodified.

We are complicit and in solidarity with the ones who are victims of a repressive system that criminalise liberators, legitimising those who make their weapon of control and social manipulation out of the prevarication of non human and human animals; and who are subject to imprisonment or reduced to a mere commercial item. For total liberation, against any form of slavery and exploitation of Earth by humans, of animals by humans, and of humans by other humans, as long as there is submission there will be rebellion: in memory of Barry Horne, Jill Phipps, Clement Meric, Remì Freise and of all the victims of fascism, capitalism and speciesism.

The sit in is independent, self-determined and self-organised with a grass-root approach, free from any symbol of parties and associations, based on the principles of antifascism and, therefore, antispeciesism.

Hierarchical and discriminatory attitudes are not going to be tolerated, consequently those who don’t respect the values of an initiative which aims to total liberation are going to be banished.

(via Contagion Antispecista)

******

30 ottobre: Presidio Antifascista per la Liberazione Animale

In occasione della Settimana Internazionale per l’Azione Antispecista, comunichiamo la nostra presenza al presidio in programma lunedì 30 ottobre, presso il tribunale di Milano in solidarietà e supporto ai/alle compagn* che quel giorno subiranno la seconda udienza in merito all’occupazione dello stabulario di Farmacologia dell’Università Statale avvenuta il 20 aprile 2013, e che permise la liberazione di 400 topi e un coniglio, oltre alla diffusione di documentazioni volte ad abbattere quel muro di omertà che ancora oggi permette di giustificare lo sfruttamento animale.

Gabbie che non sono solo le quattro pareti pesanti che contengono animali costretti a soffocare negli angusti ingranaggi del nastro trasportatore, prigioni senza luce, laboratori chiusi in muri scrostati da anni di unghie lacerate, zampe mutilate, ma sono qualsiasi stanza che abbia delle “sbarre”, fossero anche mentali.

La libertà è un dovere morale che spinge l’individuo a estenderla alle moltitudini senza termini o ostacoli di specie, pelle, colore o profumo. Fino a quando vi sarà un* di noi segregato non veniteci a parlare di diritti. I nostri diritti hanno la forma della lama che li nega ad altri.

I laboratori sono pieni di esseri falciati e lapidati per i “nostri” diritti, per allungare di un giorno le vite incatenate dei “Noi” che miopi, hanno le convinzioni della fratellanza e del rispetto, un rispetto a rate e a comando.

La ricerca scientifica sulla pelle di animali non umani svolta entro mura universitarie, poi, ha molteplici valenze: considerare individui alla stregua di strumenti, di cose, di beni utilizzabili a proprio piacimento, fa dell’università luogo ove si insegna ed inculca lo specismo nelle menti degli studenti; molto spesso la ricerca qui condotta è svolta in collaborazione con grandi gruppi farmaceutici, e con contributi da parte di aziende e fondazioni private come Telethon: laddove l’università dovrebbe essere la sede di un sapere democratico e libero, ecco che questo sapere, insieme alle menti degli studenti, viene svenduto e mercificato.

Complici e solidali con chi, vittima di un sistema repressivo che criminalizza i/le liberatori/rici legittimando chi della prevaricazione animale e umana fa la propria arma di controllo e manipolazione sociale, è costretto in prigionia o ridotto a mero oggetto commerciale.

Per la liberazione totale, contro ogni forma di schiavitù e sfruttamento dell’umano sulla Terra, dell’umano sull’animale, dell’umano su altr* uman*, fino a quando ci sarà sottomissione vi sarà ribellione: in memoria di Barry Horne, Jill Phipps, Clement Meric, Remì Freise e di tutte le vittime di fascismo, capitalismo e specismo.

Con la volontà di voler costruire un momento di piazza indipendente, autodeterminato e autorganizzato dal basso, libero da ogni simbolo partitico e associazionista, basato sui principi di antifascismo e, quindi, antispecismo.

Contro ogni atteggiamento gerarchico e discriminatorio, per un’iniziativa volta alla liberazione totale.

Militant* Antifascist* Antispecist*

(via Contagion Antispecista)

 

 

Posted in Animal Liberation, Antifascism, Antispeciesism, Barry Horne, Clement Meric, International Week for Antispeciesist Action, Italy, Jill Phipps, Milan, Remi Freise

Alemanha: Ataque Incendiário Contra um Caminhão Militar em Starnberg, perto de Munique

1

Na noite de 9 para 10 de outubro, um ataque incendiário contra um caminhão militar no centro de treinamento do Bundeswehr (Exército Alemão) no Lago Starnberg, perto de Munique.

8 anos atrás, em 4 de setembro de 2009, o Bundeswehr cometeu um massacre contra a população civil em Kunduz, Afeganistão, bombardeando dois petroleiros que haviam sido roubados da força aérea estadunidense. 100 civis foram mortxs. O comandante da chamada Escola Provincial de Reconstrução de Bundeswehr, Coronel Georg Klein, é responsável por essa operção. Não somente ele escapou da acusaçao por este crime de guerra, mas a investigação foi deixada de lado um ano depois pelo promotor federal. Em 2013, Klein foi promovido para o cargo de Brigadeiro Geral e agora é responsável por toda a área de treinamento do Bundesweher como diretor gerente do escritório federal de gestão de pessoal da Bundeswehr’.

Enquanto os assassinos têm permissão para escalar a escada da carreira, fugitivxs do Afeganistão são deportadxs novamente, transportadxs em pick-up, que levam ao aeroporto de Munique.

A guerra começa aqui – vamos parar aqui!
Contra todas as guerras, contra todas as deportações!
Parem as deportações!

(via Chronik)

Posted in Afghanistan, Anti War, Anti-Militarism, Direct Action, Fuck The Bundeswehr, Germany, Incendiary Attack, Munich, Refugee Struggle, Starnberg, Stop Deportations, War Crimes

Michoacán, México: Brutal Repressão Policial Contra Estudantes Normalistas em Tiripetío, 74 Detidxs

2153

14.10.17: Companheirxs da Escuela Normal Rural Vasco de Quiroga foram brutalmente reprimidxs enquanto preparavam atividades para comemorar o 5º aniversário da repressão que ocorreu na escola em 15 de outubro de 2012. Um estudante foi detido, e quando xs Normalistas exigiu sua libertação, a polícia xs agrediram e atiraram contra elxs. 74 estudantes foram então detidxs.

Como parte dos ataques contra o sistema público de educação, as  escolas rurais Normalistas que historicamente treinam professores rurais estão sendo sistematicamente atacadas e xs estudantes estão gradualmente sendo desaparecidxs pelo governo federal.

Declaração da ONOEM:
A Organización de Normales Oficiales del Estado de Michoacán (ONOEM) denuncia o uso de elementos militares contra nossxs companheirxs pelo estado, vale ressaltar que também haviam companheirxs da Escuela Normal Rural Raúl Isidro Burgos de Ayotzinapa. Nós denunciamos o governo corrupto de Silvano Aureoles e Carlos Gomez Arrieta, subsecretário de segurança pública por danos físicos e psicológicos que foram causados axs nossxs companheirxs.

“É verdade que eles nos atingiram, mas não estamos vencidxs”
“ONOEM continua em luta”
“TIREPETIO vive”

Comitê estudantil de Tiripetío afirmou ao público em geral:

Enquanto estávamos preparando a marcha para comemorar a repressão em 15 de outubro de 2012 na nossa escola Normalista, o governo estadual encabeçado por Silvano Aureoles Conejo ordenou a repressão contra nxs, primeiro pela prisão de um colega. Fomos a sede do PGJE (Procuradoria Geral de Justiça do Estado) para exigir sua libertação e a SSP (Secretaria de Segurança Pública) respondeu com uma brutal repressão e deteve mas de 70 companheirxs.

(Informação retirada e traduzida de vários meios independentes
mexicanos)

Posted in Fuck The Police, Mexico, Michoacán, Normalistas, Repression, Student Struggle, Tiripetío, Vasco de Quiroga Normalista School

Prisões Mexicanas: Carta do Companheiro Anárquico Fernando Bárcenas

Fernando

10.10.17: Axs companheirxs rebeldes

Escrevo à todxs aquelxs que constroem seus caminhos de autonomia, para lembrar que dentro destes muros tentamos roubar nosso tempo vital para a máquina gerando momentos de lucidez num mundo asfixiante… Assim nestes anos tem surgido propostas de resistência, desde combates isolados em zonas esquecidas, gritos que se perdem na escuridão, até momentos coletivos de organização informal na vida cotidiana no regime aberto, ou seja, na população  em geral, onde há quase três anos surgiu a idéia de criar um espaço distinto onde os presos possam gritar que já basta de tanta aniquilação, sabemos que o sistema penitenciário está desenhado para submeter nossos corpos e nossas mentes para a estrutura do comércio, e por isso não vamos pedir-lhes para mudar, sabemos que o dinheiro é a  linguagem dos poderosos e por isso mesmo não temos pedidos, agora queremos auto-gerir nossa vida nestes muros, pois sabemos que o que querem com seus programas de readaptação social é criar seres submissos, arrependidos, com culpa, e, portanto, aceitar o trabalho escravo nas mãos dos funcionários da prisão.

Assim, surgiu a idéia de fundar uma biblioteca alternativa no  auditório da prisão norte. Mas para desenvolver este projeto de autonomia e permita seu funcionamento, precisamos de seu apoio e solidariedade, porque dentro da prisão somos reprimidos mais efetivamente, e, portanto, isso é um chamado a todxs aquelxs que se reconhecem em guerra, necessitamos, só com vocês poderemos conseguir a força para enfrentar a
lógica podre do sistema…

Não nos deixem sós na construção de um espaço de autonomia, nossa luta não é menos importante, nós também somos escravos, filhos de uma guerra, somos pobres, chamados delinquentes e por isso nos marginalizam, mas juntos demonstraremos que somos capazes de viver a liberdade aqui e agora, mesmo estando entre muros de pedra…

É por isso que pedimos apoio para manter este projeto, a biblioteca autônoma na prisão norte.

Com amor e força para todxs

Fernando Bárcenas

(via Contra Info)

Posted in Anarchist Libraries, Anarchist Prisoners, Fernando Bárcenas, Mexico, Northern Prison Autonomous Library Project, Prison Struggle

Germany: Incendiary Attack Against a Military Truck in Starnberg, near Munich

1

On the night of October 9th to the 10th, an incendiary attack against  was carried out against a military truck at the Bundeswehr (German Army) training center at Lake Starnberg near Munich.

8 years ago on September 4th, 2009, the Bundeswehr committed a massacre against the local civilian population in Kunduz, Afghanistan, by bombarding two tankers that had previously been stolen from the US-American air force. 100 civilians were killed. The commander of the so-called Provincial Reconstruction Team of the Bundeswehr, Colonel Georg Klein, is responsible for this operation. No only did he escape prosecution for this war crime, but the investigation was dropped after a year by the federal prosecutor. In 2013, Klein was even promoted to the rank of Brigadier General and is now in charge of the entire Bundesweher training area as ‘Managing Director of the Federal Office for Personnel Management of the Bundeswehr’.

While the murderers are allowed to climb up the career ladder, fugitives from Afghanistan are being deported again, in pick-up transports, which also depart from Munich Airport.

War starts here – let’s stop it here!
Against every war, against every deportation!
Stop deportation!

(via Chronik, translated by Insurrection News)

 

Posted in Afghanistan, Anti-Militarism, Anti-War, Direct Action, Fuck The Bundeswehr, Germany, Incendiary Attack, Munich, Refugee Struggle, Starnberg, Stop Deportations, Uncategorized, War Crimes